Da vida de rua à maternidade

enviar por e-mail
* campos são obrigatórios
corrigir
* campos obrigatórios
Brasil | 14/08/2011 - 00h11

Karen, Luara, Tati e Eliane nasceram em cidades diferentes, mas têm histórias bastante parecidas.


Todas elas vivenciaram conflitos familiares e, de abrigo em abrigo, acabaram morando nas ruas.


"São vários fatores que expulsam as crianças do convívio familiar e comunitário", de acordo com Marcelo Caran, coordenador do Projeto Travessia, que atua com crianças em situação de risco.


"Quando a gente conhece o contexto dessa família, percebe que falta educação, saneamento, saúde, carinho. Todo esse contexto de faltas coloca essa família em uma situação de conflito. Existem crianças que saem desse convívio em busca de uma salvação", completa.


Karen, Luara e Tati foram amparadas pela ONG Lua Nova, que trabalha com meninas em situação de risco social - que sejam mães ou estejam grávidas. Eliane ainda vive nas ruas de São Paulo.


No vídeo, elas contam as experiências longe da família e como enfrentaram a gestação sozinhas. Karen desabafa: "Eu cansei dessa vida. Isso nao é vida pra mim. Eu sou muito bonita e a vida de rua é horrível".


Reportagem: Fernanda Aranda e Heloisa Ferreira

Imagens: Daniel CB e Francisco Mitre

Edição: Francisco Mitre


Leia a reportagem completa:


“Tive que aprender a amar meus filhos”


Leia mais o "Especial Meninas de Rua" no Delas:


Novas meninas de rua assumem vaidade e liderança


“Formiguinha” de 1,50 metro lidera grupo de 20 crianças de rua

Palavras-chave: social , ECA , crianças , rua , situação de rua , meninas de rua , política pública , menores , infância ,

Gostou?

VIDEOS RELACIONADOS

Ver todos