China fecha fábrica de painéis solares após protestos

enviar por e-mail
* campos são obrigatórios
corrigir
* campos obrigatórios
Mundo | 19/09/2011 - 14h57

O governo da China anunciou nesta segunda-feira (19/09) o fechamento provisório de uma fábrica de painéis solares no leste do país, após protestos de centenas de manifestantes que denunciaram a contaminação do meio ambiente.


Centenas de chineses enfrentaram as forças de segurança na quinta-feira, sexta-feira e sábado (15,16 e 17/09) e acusaram a fábrica de contaminar o meio ambiente, além de provocar câncer em várias pessoas.


Os protestos começaram na quinta-feira, quando 500 moradores da localidade de Hongxiao se reuniram na cidade de Haining (província de Zhejiang) para exigir explicações sobre a morte de uma grande quantidade de peixes em um rio próximo, informa a agência estatal Xinhua.


Também afirmaram que a poluição industrial provocou pelo menos 31 casos de câncer entre os habitantes, incluindo seis casos de leucemia.


Os manifestantes invadiram uma fábrica da empresa Jinko Solar, onde saquearam os escritórios e depredaram veículos, antes da ação da polícia. Os confrontos prosseguiram na sexta-feira e sábado.


Os resíduos industriais da fábrica não cumpriam com as normas em vigor desde abril, segundo Chen Hongming, diretor adjunto do Escritório de Assuntos Ambientais de Haining, citado pela Xinhua.


A Jinko Solar, que é cotada na Bolsa de Nova York (NYSE), afirma em seu site que tem mais de dez mil funcionários em fábricas nas províncias de Jiangxi e Zhejiang.


Leia mais notícias do Brasil e do mundo em Último Segundo.

Palavras-chave: solar , painéis solares , poluição , fábrica , protesto , Reuters , chineses , manifestação , sol , China , protestos , meio ambiente , energia , manifestantes , contaminação ,

Gostou?

VIDEOS RELACIONADOS

Ver todos