Cidade síria está cansada de tanta violência

enviar por e-mail
* campos são obrigatórios
corrigir
* campos obrigatórios
Mundo | 24/01/2012 - 15h20

Os moradores de Homs, na Síria, estão cansados. A cidade é o palco das mais violentas medidas de repressão do regime contra os manifestantes pró-democracia, que já duram dez meses.


Polo industrial e terceira maior cidade síria, Homs abriga em sua maioria uma população muçulmana sunita. Porém, os aluítas são presença forte, assim como os cristãos.


Atualmente, o comércio inexiste em determinadas áreas da cidade. Lugares tornaram-se zonas de batalha e todos temem que a divisão política e sectária seja cada vez mais pronunciada, com pessoas a favor e contra o presidente Bashar al-Assad.


Segundo um morador, a cidade virou um caos, com roubos e mortes. "Com tanta gente morrendo, tivemos de fechar as lojas. Todo dia sequestram alguém. Isso tem de acabar. Não vai resolver nada", diz, resignado.


Teme-se que a violência piore cada vez mais, já que os desertores estão se voltando contra as forças do governo.


Quem não tem medo de se manifestar, fala, porém pouco. "Ninguém mais tem vida [em Homs]", lamenta outro morador.


Segundo a ONU, mais de cinco mil pessoas morreram durante as manifestações. O regime de Assad alega que dois mil de seus homens foram mortos. Na segunda-feira (23/01), dois soldados e um policial foram enterrados em Homs.


Depois de dez meses de violência, cidadãos comuns já não sabem qual será o desfecho dos protestos. No momento, eles só querem paz e estabilidade.


Leia mais em Último Segundo:


Países do Golfo decidem retirar observadores da Síria

Palavras-chave: cidadãos , comércio , Síria , governo , Bashar al-Assad , mortos , regime , polícia , militares , Reuters , população , Exército , crimes , repressão , policiais , cansaço , manifestações , ditador , protestos , manifestantes , presidente , sírios , mortes , violência , Homs , sírio ,

Gostou?

VIDEOS RELACIONADOS

Ver todos