Obama: Ação militar não é única saída

enviar por e-mail
* campos são obrigatórios
corrigir
* campos obrigatórios
Mundo | 23/03/2011 - 12h01

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama,

afirmou na terça-feira (22/03) que já houve

"redução significativa" dos voos americanos

sobre a Líbia e destacou que o enfoque militar

não é a única maneira de Washington provocar a

saída do ditador Muamar Kadafi. Inclusive, não

está descartada a adoção de sanções

internacionais.


Obama acredita que Washington "em breve" poderá

dizer que o objetivo de impor uma zona de

exclusão aérea na Líbia foi atingido.


Forças americanas, francesas e britânicas

lançaram ataques aéreos na Líbia durante o fim

de semana (19 e 20/03) como parte de uma

operação humanitária para ajudar civis sob

ataque das forças leais a Kadafi.


O comando da operação, liderada por Estados

Unidos, França e Reino Unido, está provocando

tensos debates há vários dias entre as potências

ocidentais.


Os Estados Unidos afirmaram que não haveria

tropas terrestres americanas, e insistiu que a

fase inicial da operação está focada em derrubar

a defesa antiaérea líbia para que a zona de

exclusão aérea pudesse operar efetivamente.


A segunda fase será garantir que a missão

humanitária atinja seus objetivos.


Leia mais notícias sobre a Líbia em:


Força Aérea de Kadafi foi derrotada, diz

comandante britânico

Palavras-chave: AFP , bombardeio , presidente , Barack Obama , zona de exclusão aérea , Obama , ataques , missão humanitária , Kadafi , Muamar Kafadi , EUA , Reino Unido , bombardeios , sanções , presidente Estados Unidos , presidente Obama , França , Líbia , ataque , ação militar , EustadosUnidos ,

Gostou?

VIDEOS RELACIONADOS

Ver todos