Strauss-Kahn pediu imunidade diplomática ao ser preso

enviar por e-mail
* campos são obrigatórios
corrigir
* campos obrigatórios
Mundo | 17/06/2011 - 13h00

O ex-chefe do Fundo Monetário Internacional (FMI), Dominique Strauss-Kahn, tentou sem sucesso alegar imunidade diplomática quando foi preso por tentativa de estupro contra uma camareira de hotel, informam transcrições policiais divulgadas nesta quinta-feira (16/06).


As transcrições, divulgadas pela procuradoria, mostram que quando Strauss-Kahn estava sendo levado pela polícia de seu assento na primeira classe de um voo da Air France em 14 de maio declarou: "tenho imunidade diplomática".


Mais tarde, quando levado para Manhattan, Strauss-Kahn recuou quando questionado se tinha algum tipo de status diplomático, dizendo: "não, não, não. Não estou tentando usar isso, só quero saber se preciso de um advogado".


O FMI, do qual mais tarde Strauss-Kahn renunciou do cargo de diretor-gerente, informou dias depois de sua prisão que a imunidade não se aplicava ao caso, porque ele estava em Nova York para assuntos pessoais.


Leia mais notícias sobre o Brasil e o mundo em Último Segundo.

Palavras-chave: documento , FMI , abuso sexual , imunidade diplomática , Strauss-Kahn , estupro , polícia , acusação , ex-diretor ,

Gostou?

VIDEOS RELACIONADOS

Ver todos